Lançado livro-entrevista do Papa Francisco sobre misericórdia

Lançado livro-entrevista do Papa Francisco sobre misericórdia

“O nome de Deus é misericórdia” é o título do livro, fruto de uma entrevista do Papa ao Vaticanista Andrea Tornielli

 

A misericórdia é a “carteira de identidade” de Deus, assim diz o Papa Francisco no livro-entrevista “O nome de Deus é misericórdia”, que se encontra a partir desta terça-feira, 12, nas livrarias italianas e em 86 países. A publicação relata uma entrevista do Pontífice ao jornalista vaticanista Andrea Tornielli, do cotidiano “La Stampa” e coordenador do site “Vatican Insider”.

Dividido em nove capítulos e 40 perguntas, o livro – editado pela Piemme – tem a capa autografada por Francisco. A primeira cópia do volume, em italiano, foi entregue ontem à tarde ao Pontífice, na Casa Santa Marta.

A entrevista foi concedida em julho de 2015, após a visita do Papa à América Latina (Equador, Bolívia e Paraguai). Francisco recebeu o jornalista Tornielli na Casa Santa Marta, munido da Bíblia e de citações dos Padres da Igreja. A misericórdia foi o tema da conversa, tendo em vista o Jubileu extraordinário que seria aberto cinco meses depois. Os frutos desse diálogo estão no livro lançado hoje.

Oração, reflexão sobre os Papas precedentes e uma imagem da Igreja como “hospital de campanha” que “aquece os corações das pessoas com a proximidade”. Esses são os três fatores, explica o Papa, que o levaram a instituir um Jubileu da Misericórdia.

“A Igreja não está no mundo para condenar, mas para permitir o encontro com o amor visceral que é a misericórdia de Deus”, refere Francisco, na entrevista ao vaticanista italiano.

Num dos trechos da obra, divulgado pela Rádio Vaticano, Francisco diz que também o Papa é alguém com “necessidade da misericórdia de Deus” e revela ter uma relação especial com os presos.

“Tenho um especial carinho pelos que vivem na prisão, privados da liberdade. Fiquei muito ligado a eles, por esta consciência do meu ser pecador”, explica, acrescentando que não se sente “melhor” do que aqueles que estão à sua frente.

Missão da  Igreja no mundo

O Papa apresenta a sua visão sobre a missão da Igreja no mundo, sublinhando que quando “condena o pecado” o faz porque “deve dizer a verdade”. Ao mesmo tempo, no entanto, “abraça o pecador que se reconhece como tal, aproxima-se dele, fala-lhe da misericórdia infinita de Deus”, à imagem de Jesus, que “perdoou mesmo os que o crucificaram”.

“Seguindo o Senhor, a Igreja é chamada a derramar a sua misericórdia sobre todos os que se reconhecem como pecadores, responsáveis pelo mal que fizeram, que sentem necessidade do perdão”, observou.

O Ano da Misericórdia

Em relação ao Ano Santo extraordinário que convocou, o Jubileu da Misericórdia (dezembro de 2015-novembro de 2016), Francisco espera que a iniciativa permita fazer emergir um rosto cada vez mais materno da Igreja.

O Papa convida as comunidades católicas a “sair das igrejas e das paróquias” para ir ao encontro das pessoas, onde elas vivem, “sofrem e esperam”.

“A Igreja em saída tem a caraterística de surgir no local onde se combate, não é a estrutura sólida, dotada de tudo”, mas um “hospital de campanha” no qual se pratica uma “medicina de urgência”.

Nesse sentido, deseja que o jubileu extraordinário “faça emergir cada vez mais o rosto de uma Igreja que redescobre as vísceras maternas da misericórdia e que vai ao encontro de tantos feridos necessitados de escuta, compaixão, perdão, amor”.

A tradução portuguesa, que inclui a Bula de Proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, é editada pela Planeta.

A obra é apresentada numa sessão em Roma, com a presença do autor, Andrea Tornielli, e do ator e realizador italiano Roberto Benigni, com quem o Papa se encontrou esta segunda-feira, juntamente com Zhang Agostinho Jianqing, um preso chinês na Itália que se converteu ao catolicismo.

Fonte: www.cancaonova.com.br

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

Share This