Hospital Dom Orione completa 43 anos

Hospital Dom Orione completa 43 anos

A instituição é uma das maiores unidades de saúde do Norte do país

Por Rodrigo Martins

A unidade hospitalar de maior complexidade do Tocantins completa 43 anos nesta terça-feira, 16 de julho. Ao longo de sua história, o Hospital Dom Orione se consolidou como uma das principais instituições da área da saúde na região Norte do Brasil, sendo referência nas áreas de Obstetrícia, Neonatologia e Cirurgia Cardíaca.

O Hospital Dom Orione é uma entidade filantrópica, pertencente à Pequena Obra da Divina Providência, presente em mais de 30 países. A filantropia é caracterizada pela oferta de mais de 60% dos atendimentos ao Sistema Único de Saúde (SUS). Só em 2018, cerca de 220 mil atendimentos foram realizados por meio deste convênio.

“Dessa forma conseguimos proporcionar um serviço seguro e de qualidade para aquelas pessoas que não teriam condições de arcar com os custos do atendimento particular”, destacou o diretor presidente, Padre Jarbas Assunção Serpa. Além do Tocantins, a unidade atende usuários do Sul e Sudeste do Pará e Sul do Maranhão.

Alta Complexidade

Dentre os atendimentos realizados, destacam-se os serviços de alta complexidade. O Hospital Dom Orione é a primeira unidade no Tocantins a realizar cirurgias cardiovasculares. Já são 20 anos deste serviço pioneiro no estado que realiza mais de 200 cirurgias cardíacas por ano, sendo que 95% destinadas para usuários do SUS.

Obstetrícia

A maternidade é outro ponto forte do Hospital Dom Orione. Por mês são realizados em média 580 partos. A instituição promove o Parto Humanizado e carrega consigo o selo “Hospital Amigo da Criança”, concedido pelo Ministério da Saúde e UNICEF para as instituições que seguem os “10 Passos Para o Aleitamento Materno”.

Economia

Além de sua relevância nos serviços de saúde, o Hospital Dom Orione também tem grande contribuição na economia e geração de empregos na região. A unidade emprega atualmente 1.093 pessoas que atuam nas áreas de apoio, administrativa e assistencial.

Sem comentários

Gostou do artigo? Faça um comentário!

Share This