“CRISTO APONTA PARA A AMAZÔNIA”

“CRISTO APONTA PARA A AMAZÔNIA”

“Nesses campos, nessas matas, nesses lagos e igarapés, nesses rios, planaltos e serras, planícies e vales, vão anunciar no lombo de um belo cavalo, de barco ou canoa, de remo na proa atender Teu chamar.”

Um trecho de uma canção muito cantada aqui na Amazônia, quase que um hino à missão. E foi uma das (entre tantas), que mais me chamou a atenção, pelo fato de cantar a realidade missionária na região amazônica: os desafios e alegrias que o missionário sente em viver aqui.

Dom Mário Antônio, Bispo de Roraima, dizia a nós missionários recém-chegados que: devíamos trazer o indispensável para a missão, mas acima de tudo: TRAZER O CORAÇÃO.  Porque somente com o coração impelido pelo amor de anunciar o Cristo ressuscitado, os pés vão andar em direção àqueles a quem fomos enviados para convidar a descobrir o Cristo que vive em cada um. Assim como o coração de Jesus se dilata por nós, assim também o coração de um missionário Orionita deve se dilatar pelo amor à missão de anunciar o evangelho aos lugares mais remotos dessa terra tão bonita e tão desafiadora.

Foi com esse sentimento que viemos trabalhar em Roraima, em uma Área Missionária na periferia de Boa Vista, sob o patrocínio do Sagrado Coração de Jesus. Uma região de grande pobreza e desafios tanto pastorais como financeiros, mas ao mesmo tempo de grande esperança e alegria. Um povo que traz consigo sua cultura indígena, cabocla e de tantos outros lugares do Brasil e do mundo.

Trazemos conosco o exemplo de nosso pai fundador, São Luís Orione, que sempre nos ensinou a fazer o bem sempre, e acima de tudo encontrar Cristo nos mais sofredores. Gosto de pensar que São Luís Orione esteja muito feliz, por termos armado nossa tenda na Amazônia, desde a chegada dos primeiros missionários no Norte de Goiás (hoje Tocantins) e no Pará, mais recentemente em Rondônia e depois aqui… E quem sabe aonde mais nessa imensa região formos chamados a levar Cristo, singrando grandes rios ou pequenos igarapés até as regiões mais distantes, como nos pede o Papa Francisco na Exortação Apostólica QUERIDA AMAZÔNIA.

O mesmo Cristo que aponta para a Amazônia é o mesmo que aponta para nós Orionitas, hoje, e nos diz: “Vão com coragem e amor, e me levem a tantos que ainda não me conhecem”.  E assim o fizemos, vindo armar nossa tenda em Roraima. Vivendo a missão do baixo Rio Branco, pude constatar uma realidade nova para mim, vendo aquele povo que tem sede de Deus. E onde o sacerdote chega três vezes ao ano, pude perceber o quão bonita é a missão de alguém que se doa por inteiro, a missão e a doação total ao Cristo, e, acredito que essa seja nossa missão de Orionitas aqui: levar Cristo aos pobres e abandonados sem medo, pois o medo paralisa, mas com coragem e audácia assim como fez nosso pai fundador, em seu tempo.

O Sínodo para a região amazônica que vivemos em outubro passado, nos deu novo vigor e nos chamou a nos lançar verdadeiramente na missão de anunciar, como nos diz a canção acima.

Tantos missionários e missionárias que por aqui passaram e muitos que deram a própria vida em favor de uma causa, a do EVANGELHO, que recebemos por herança e somos chamados a partilhar com esse povo tão querido e sofrido, mas que sempre nos surpreende com um sorriso no rosto ou um simples gesto de gratidão, o que nos motiva ainda mais, pois: NINGUÉM É TÃO POBRE QUE NÃO TENHA NADA A OFERECER E NINGUÉM É TÃO RICO QUE NÃO TENHA NADA A RECEBER.

“Sou missionário, sou povo de Deus, sou índio, caboclo, mestiço, fazendo da vida a missão aqui, nesta grande tapera da Igreja Amazônica, sou mensageiro de um Deus que é irmão Ô, ô, ô, ô, ê, ê de um Deus que é irmão”.

Cl. Lucas Patrick Tavares, P.O.D.P.

Sem comentários

Gostou do artigo? Faça um comentário!

Share This