Ano Santo da Misericórdia: a Porta Santa da Igreja para entrar e para sair

Ano Santo da Misericórdia: a Porta Santa da Igreja para entrar e para sair

Ano Santo da Misericórdia: a Porta Santa da Igreja para entrar e para sair

 

Às 11:10h do dia 08 de dezembro de 2015, Festa da Imaculada, Papa Francisco abriu a Porta Santa da basílica de São Pedro, ao término da celebração da Santa Missa. Deste rito já houve uma “prévia” significativa no último dia 29 de novembro, quando o Papa abria a porta de madeira da catedral de Bangui, na República Centro-Africana.

Inicia-se o Jubileu da misericórdia. O tema do Ano Santo é: “misericordiosos como o Pai” (cfr Lucas 6,36).

Na Bula “Misericordiae vultus” (11 de abril de 2015), Papa Francisco indicou que o Ano Santo da misericórdia é para viver “com estes sentimentos de gratidão pelo que a Igreja recebeu e de responsabilidade quanto à tarefa que nos espera, atravessaremos a Porta Santa com plena confiança de ser acompanhados pela força do Senhor Ressuscitado, que continua a sustentar nossa peregrinação. A Igreja sabe que a sua primeira tarefa, sobretudo num momento como o nosso, de grandes esperanças e de fortes contradições, é aquela de introduzir todos no grande mistério da misericórdia de Deus, contemplando o rosto de Cristo. A peregrinação é um sinal peculiar no Ano Santo, porque é ícone do caminho que cada homem cumpre em sua existência… peregrino que percorre uma estrada até a meta desejada”.

Na homilia da Missa de abertura do Jubileu, Papa Francisco disse: “será um Ano em que crescerá na convicção da misericórdia”.

É um Jubileu extraordinário não só porque se celebra fora do prazo estabelecido que é 25 anos, mas por tantas razões, não última aquela de ver a Porta Santa atravessada contemporaneamente por dois Papas. Ficam indeléveis as imagens do ancião Bento XVI que caminha a passos lentos, pois o aperto de mão com Francisco, o abraço; aquele trocar de olhos, aquelas palavras em baixa voz entre os dois papas que tanto amam e servem á Igreja.

Na homilia do Papa, percebi uma continuidade e quase uma identificação da abertura da Porta Santa da Igreja de São Pedro com a abertura da Igreja ao mundo contemporâneo ocorrida a partir do Concilio Vaticano II. Intencionalmente, a abertura do Ano Santo corresponde com o encerramento do Concílio Vaticano II: 08 de dezembro 1965-2015. “Hoje, passando pela Porta Santa queremos também recordar outra porta que, 50 anos atrás, os Padres do Concílio Vaticano II abriram para o mundo”.

O verbo “abrir” foi muito querido por João Paulo II. Agora Papa Francisco com este verbo recorda que o “Concílio foi um verdadeiro encontro entre a Igreja e os homens do nosso tempo. Um encontro marcado pela força do Espírito que impelia a sua Igreja a sair dos baixos que por muitos anos a mantiveram fechada em si mesma, para retomar com entusiasmo o caminho missionário”.

Sobre esta estrada do encontro ocorre continuar decisivamente, mediante a misericórdia e o diálogo de que foram modelos os dois Papas do Concílio, Papa João XXIII da misericórdia e Papa Paulo VI do diálogo.

Com o Jubileu, Francisco pede de “retomar com entusiasmo o caminho missionário”, de ser Igreja em saída, mediante o Evangelho e o ministério da misericórdia, promovendo a cultura do encontro.

Se João Paulo II disse de “não ter medo de abrir as portas para Cristo”, Papa Francisco pede de não ter medo de sair e de caminhar pelas estradas do mundo, com “o espírito mergulhado no Vaticano II, aquele do Samaritano, como recordou o beato Paulo VI na conclusão do Concílio. Atravessar hoje a Porta Santa nos motiva a fazer nossa a misericórdia do bom samaritano”.

A Porta Santa não é apenas para entrar na graça de Deus, mas também – e sobre tudo hoje – é para sair e testemunhar a misericórdia de Deus.

Como orionitas, vibramos de amor à Igreja e somos chamados a vivenciar o caminho atual, conforme indicado pelo Papa Francisco que tem em mãos, inspirado e seguro, o “cajado” de Pedro. Estamos envolvidos na peregrinação da Igreja em caminho: “Essa só é segura se trilhar os caminhos da Providência e somente seguindo Ela podemos estar tranquilos que apesar destes caminhos parecerem obscuros, são sempre retos” (Dom Orione).

Don Flavio Peloso

 

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

Share This