10 anos do Instituto Filosófico de Caucaia (CE)

10 anos do Instituto Filosófico de Caucaia (CE)

Celebrados os 10 anos de existencia do Filosófico de Caucaia

 

Caucaia. Em comemoração aos 10 anos do Instituto Filosófico “São José” de Caucaia, a Família Orionita se reuniu, neste dia 24 de agosto, para a Celebração Eucarística presidida pelo Ex.mo Dom Enemésio Angelo Lazzaris, Bispo diocesano de Balsas, e concelebrada pelos seguintes sacerdotes: Pe. Tarcísio Vieira, Pe. Sérgio Santos, Pe. Joaquim Oliveira, Pe. Bruno Rodrigues, Pe. Pedro Júnior, Pe. Francisco Florencio, Pe. Tadeu Costa e Pe. Josimar (Pároco de “Nossa Senhora das Graças” do Parque Potira). Estavam presentes os religiosos estudantes do Instituto, seminaristas diocesanos, religiosas e um grande número de fiéis, destacando especialmente a participação dos Padrinhos e Madrinhas do Seminário.

A presença de Dom Enemésio tem uma razão não somente afetiva, por ser Orionita, mas sobretudo histórica. Enquanto Provincial, teve a responsabilidade da compra do terreno do Filosófico e de organizar os primeiros passos do nascente Instituto.

Recordando a história sabe-se que a inauguração do então “segundo filosófico da Província” foi no dia 7 de fevereiro de 2003 e na cerimônia de abertura estava presente, além do Provincial Pe. Enemésio, também o Vigário Geral, Pe. Luigi Fiordaliso.

Na comemoração dos 10 anos do Instituto Filosófico, podendo agora admirar uma construção confortável para os nossos estudantes, vale a pena reler a descrição que Pe. Enemésio, em novembro de 2002, fez do terreno que estava para ser comprado. A carta era dirigida ao Superior Geral: “Eu e Pe. Jarbas estivemos em Fortaleza (28 a 31/10/2002) para procurar uma casa apta para acolher, já no início de 2003, 8 clérigos estudantes de Filosofia e o seu formador, e o terreno para a construção do Pequeno Cotolengo Nordestino. Várias casas nos foram mostradas, porém a que mais nos agradou está situada a exatamente a dois quilômetros da nossa residência paroquial do Setor Tabapuá. O terreno está muito bem protegido por um muro de tijolos e mede mais ou menos 8.700m², isto é, 100 metros de comprimentos e 87 de largura. Além da casa, que está situada quase no centro da propriedade, há muitas benfeitorias como a residência do caseiro que pode ser adaptada para 3 quartos grandes, 1 bar amplo e semi-conservado, que pode servir para a capela, e a biblioteca, um campo gramado com holofotes para eventuais jogos à noite e respectivos vestuários, uma velha cocheira, 2 grandes portões de acesso, um pela lateral e outro pela frente. Há também muitas árvores de coco, manga, abacate, seriguela, etc. Enfim, o espaço, por ser bem tranquilo, silencioso e reservado, oferece ótimas condições para o recolhimento, a oração, o estudo, o trabalho, o descanso e o lazer, atividades indispensáveis para uma boa formação. Caso for necessário, nos próximos anos pode-se criar aí mesmo acomodações para 12, 15 e até 20 pessoas, não havendo assim necessidade de construir o filosófico em outro lugar.

Na cerimônia comemorativa dos 10 anos de existência do Filosófico lembrou-se dos primeiros religiosos que, confiando na Divina Providencia, foram aos poucos construindo esta casa de formação, junto com os Padrinhos e Madrinhas das vocações, que não mediram esforços para ajudar, tanto no sustento material quanto no espiritual. A primeira comunidade estava assim constituída: Pe. Enrico Zardoni (Diretor e Pároco); Pe. Márcio Almeida do Prado (Reitor); Pe. Pedro Custódio da Silva Filho (Vice-Pároco); e mais 7 Clérigos que cursavam o 1º ano de Filosofia: Alexandre Diniz, Alexandre Umbelino Pereira, Bruno Rodrigues, Clayton de Souza Pinheiro, Francisco Florêncio de Paula, Geraldo Gonçalo da Silva e Gilson da Silva Barros.

Hoje, os clérigos estudantes são: Emivaldo Silva, Fabiano de Oliveira e Renaldo Elesbão (3º Filosofia); Benedito Rocha, Carlos Alexandre e Paulo Sérgio dos Santos (2º Filosofia); Antônio Johnes, Getúlio Assis, Ivanildo Maciel, Maciel Mendes, Maicon Júnior e Valmir Andrade (1° Filosofia).

Especial homenagem foi feita ao grupo de Madrinhas e Padrinhos. Dona Beta, primeira coordenadora das madrinhas, recordou que a iniciativa para a fundação do grupo foi do Pe. Enrico Zardoni e que era “um grupo de poucas mulheres da comunidade do Tabapuá”. A atual Coordenadora do Grupo, Sra. Vera, nas suas palavras de homenagem conseguiu sintetizar a beleza da missão das Madrinhas: “Somos um grupo de pessoas de boa vontade que, mesmo tendo nossos afazeres com a família, trabalho e estudos, conseguimos nos programar para cuidar e colaborar para com o seminário.” Além disso, “temos tido a oportunidade de participar de momentos formativos que nos permitem conhecer melhor o carisma de São Luís Orione e a Pequena Obra da Divina Providência”.

Ao final da celebração os Religiosos do Filosófico fizeram uma homenagem a todas as Madrinhas e Padrinhos e benfeitores. Foi entregue um quadro de Dom Orione para ser entronizado nas casas destes leigos Orionitas. Em seguida, Pe. Bruno leu o decreto municipal que determina a mudança do nome da Rua em que está situado o Filosófico, não mais Mozart Fontenele, mas sim “Rua Dom Orione”. As homenagens foram encerradas com o descerramento de uma placa comemorativa em que se registra a comemoração dos 10 anos.

Sem comentários

Seja o primeiro a comentar este post!

Share This